Matérias

Primator: Entrevista e resenha do álbum de estreia Involution

Por André BG | Em 29/03/2015 - 18:46
Fonte: Alquimia Rock Club

 

Em um coquetel para audição do álbum de estreia Involution da banda paulistana Primator, exclusivo para imprensa especializada e convidados que rolou no Gillan’s Inn Rock Bar no centro de São Paulo, o vocalista Rodrigo Sinopoli falou um pouco sobre a banda em um bate papo rápido e descontraído que você confere abaixo:

 

Alquimia Rock Club: Fale um pouco sobre o Primator, como surgiu a banda e quais são suas principais influencias?

 

Rodrigo Sinopoli: A banda surgiu em 2009, nós juntamos os gostos em comum desde a época de moleque como Judas Priest, Iron Maiden, Pantera, Motorhead, entre outra porrada de coisas, mas tentamos dar uma repaginada para não ficar nada muito clichêzão, então o som que a gente faz é basicamente um Heavy Metal tradicional cantado e feito aos moldes antigos.

 

Alquimia Rock Club: Fale um pouco sobre o conceito do álbum (Involution), sobre as ideias em si, vemos alguns pontos de vista sobre o conceito que fala sobre a origem das espécies.

 

Rodrigo Sinopoli: Basicamente é uma conotação que a gente fez da involução humana, até a capa retrata isso, tanto o nome Involution como a arte da capa é uma escala evolutiva de trás pra frente, é como se o homem quisesse retroceder para se redimir dos erros cometidos, então, tudo que estamos passando hoje como falta de água, são pecados recorrentes que o próprio homem cometeu, como a guerra.  O álbum na verdade é uma síntese disso tudo, sintetiza tudo que o homem fez de mal pra natureza e que hoje esta voltando pra ele mesmo, enquanto achamos que estamos andando pra frente, na verdade estamos andando pra trás, é uma involução.

 

Alquimia Rock Club: Falando sobre esse mesmo assunto, quem na banda se interessa mais por esse assunto? É toda a banda ou alguém em especifico que gosta mais dessa parte histórica e desse conceito?

 

Rodrigo Sinopoli: Na verdade, eu gosto muito de história, pesquiso muito e gosto de biologia pra caramba também. Metade do álbum foi feito antes da gente ter se tocado que ele falava sobre isso, ai percebemos que tínhamos cinco musicas prontas e as cinco falam de um tema em comum, já tínhamos gravado o EP que se chamava Primator, então decidimos dar esse conceito e terminar o álbum falando sobre a involução, que na verdade é o que esta acontecendo  e é isso que a gente esta retratando e as cinco ultimas musicas que compomos são mias focadas ainda no tema, não que as primeiras deixem de ser mas as cinco ultimas são bem mais. Basicamente as letras foram escritas por mim, as composições são feitas todas em conjunto, mas as letras todas foram eu que fiz então deu pra trabalhar legal o tema sem interferências.

 

Alquimia Rock Club: A gente percebe que a banda faz um som bem tradicional, a lá Judas Priest, bem anos 80, notamos muito de Saxon e Judas Priest antigo no som da banda. Como você vê a cena pra esse tipo de som mais tradicional hoje em dia? Onde muitas bandas tentam reinventar a roda e criar coisas novas, mas que nem sempre sai algo aproveitável...

 

Rodrigo Sinopoli: Na verdade eu acho que não tem sido a proposta das bandas de hoje em dia fazer um som muito tradicional, o que a gente ouve é que o Heavy Metal tradicional não é mais Heavy Metal, ele um Classic Rock, então muita gente que ouve o som da banda fala que é um Rock pesado, um Rock clássico, mas pra gente é um Heavy Metal tradicional, pois está calcado no que a gente gostava dos anos 80.  Mas basicamente as bandas de hoje em dia costumam ser mais extremas, principalmente no Brasil, as bandas nacionais tem um foco mais pesado, um som mais sujo e com efeitos e a gente não optou por isso simplesmente por não ser o nosso gosto, como falei antes, queremos fazer algo que seja do nosso agrado e calhou de ser o que a gente ouvia quando era moleque e acha legal de tocar, sem preocupação de agradar.

 

Alquimia Rock Club: É até engraçado você focar nesse assunto, parece que com o passar do tempo, o que nos anos 80 e 90 era um Heavy Metal tradicional, hoje é Classic Rock, daqui uns dez anos vai ser um Rockabilly... Risos

 

Rodrigo Sinopoli: pois é Rockabilly... Risos 

 

Alquimia Rock Club: Deixe uma mensagem final, fale um pouco das pretensões da banda, esse CD esta saindo fora do Brasil também?

 

Rodrigo Sinopoli: Cara, ele esta saindo de forma digital e física no Brasil e eventualmente na Europa, sem dúvidas, mas é totalmente independente, cada um tirou uma grana do bolso, juntou e mandou prensar, é oficial foi na zona franca de Manaus, mas foi totalmente independente, a gente não tem gravadora nem nada. Sobre as pretensões da banda, na verdade, tirando as questões de custos seria de lançar um CD por ano, a gente deixou material pra trás que daria pra mais dois álbuns, então provavelmente 2016 já é um ano que a gente quer lançar coisa nova, não queremos deixar um espaço de tempo muito grande entre um CD e outro, pra não cometer o mesmo erro de outras bandas, até porque nossa proposta é diferente, não tem muitas bandas que fazem o tipo de som que estamos dispostos e propostos a fazer, e o som fica ai pra sempre.

 

 

 

Primator - 2015 - Involution

 

 

Formada em 2009 na zona Norte de São Paulo por Rodrigo Sinopoli (vocal), Márcio Dassié (guitarra), Diego Lima (guitarra), André dos Anjos (baixo) e Alexandre Birão (bateria), a banda Primator faz basicamente um Heavy Metal tradicional, influenciado por nomes como Judas Prist e Iron Maiden, os caras mostram com esse primeiro álbum Involution, gravado no estúdio GR, na zona norte da capital paulista e lançado de forma totalmente independente que a intenção não é reinventar a roda ou inovar o estilo, mas sim fazer um som calcado em bandas dos anos 80 que tantos os influenciaram. Obviamente que elementos na parte instrumental e a voz em alguns momentos rasgada e aguda de Rodrigo Sinopoli nos fazem lembrar de outros grandes nomes do estilo que influenciaram a banda, o resultado disso é um álbum de puro e mais tradicional Heavy Metal que tanto gostamos, mais com um toque ou outro que deixam o som com uma cara mais atual. Faixas como Face The Death, Praying for Nothing e Involution, que da nome ao álbum merecem um destaque a parte, com um ótimo trabalho de guitarras. A produção, assinada por Daniel de Sá é simples, mas bem feita, nada mal para uma produção totalmente independente. Vale a pena conferir o esse trabalho de estreia dos caras.

 

 

Faixas:

 

01 – Primator

02 – Black Tormentor

03 – Deadland

04 – Flames of Hades

05 – Erase The Rainbow

06 – Caroline

07 – Let Me Live Again

08 – Face The Death

09 – Praying for Nothing

10 – Involution

 

Contatos:

 

Email: contato@bandaprimator.com.br

 

Endereços oficiais na internet:

 

www.bandaprimator.com.br

www.facebook.com/bandaprimator 

www.soundcloud.com/bandaprimator

www.twitter.com/primatormetal

 

Informações para Imprensa:

 

Eliton Tomasi – SOM DO DARMA

eliton@somdodarma.com.br 

www.somdodarma.com.br 

(15) 3211-1621

 

 

Confira o vídeo clip da musica Face The Death, extraída do álbum de estreia Involution:

http://www.alquimiarockclub.com.br/noticias/4591/

 

 

 



André BG

Apenas um cara que curte futebol, mulher e Rock 'n' Roll, bebe cerveja e torce para o Palmeiras!

Facebook: https://www.facebook.com/andre.alvesbg.5




blog comments powered by Disqus