Resenhas

Matanza Beer Fest - 23.02.2018 - Espaço 555, São Paulo, SP

Por André BG | Em 26/02/2018 - 00:12
Fonte: Alquimia Rock Club

Fotos: Daniel Ferreira Rocha

 

Já tendo atraído mais de 5 mil pessoas, o Matanza Beer Fest voltou há capital paulista nessa ultima sexta-feira para sua sétima edição, contando com opções de camarote open bar para os fãs se esbaldarem em diversas cervejas e obviamente com o show dos anfitriões do Matanza que contaram desta vez com a presença da tradicional banda de Punk Rock Cólera.

 

Por volta das 22 horas (horário da abertura da casa), a fila em frente ao Espaço 555 da avenida São João já era bem grande, dando um sinal claro de que o evento teria casa cheia. Quando poucos minutos após a meia noite os veteranos do Cólera subiram ao palco com a casa já completamente lotada para dar inicio a sua apresentação. Atualmente formada pelos veteranos Val (baixo) e Pierre (bateria) e os novatos Wendel (vocal) e Fábio (guitarra), a banda fez um show recheado de grandes clássicos do Punk Rock nacional, bem recebidos pelo público, mesmo em sua grande maioria formado por fãs do Matanza, sendo um público um pouco diferente do público do Cólera, mas que respeitou e aplaudiu a cada música dos veteranos. A apresentação foi um pouco prejudicada em sua maior parte pela qualidade ruim do som, principalmente nas primeiras músicas, melhorando no decorrer do set, mas ficando abaixo do ideal, o que não impediu do Cólera com sua raça de sempre mandar seu recado com pérolas como “Quanto Vale a Liberdade”, “Medo”, “Palpebrite” e “Deixe a Terra em Paz!”, que deram uma boa agitada na galera. A banda também fez questão de em diversos momentos da apresentação fazer referencias em homenagem ao seu ex-lider Redson, falecido em 2011. O desfecho da apresentação de cerca de uma hora de duração ficou por conta dos hinos do Punk Rock nacional “Dia e Noite, Noite e Dia” e “Pela Paz”, essa ultima tendo seu refrão cantado tradicionalmente também em outros idiomas para aplausos gerais.

 

 

Set list: 

 

1- 1992 

2- Bloqueio Mental

3- Humanidade 

4- Viaduto 

5- São Paulo 

6- C.D.M.P 

7- Marcha 

8- Quanto Vale a Liberdade 

9- Somos Vivos 

10- Verde 

11- Suburbio Geral 

12- Vira Latas 

13- Minha Mente 

14- Medo  

15- Palpebrite 

16- Deixe a Terra em Paz! 

17- Direitos Humanos 

18- X.O.T. 

19- Duas Ogivas 

20- Dia e Noite, Noite e Dia 

21- Pela Paz 

 

 

 

 

 

 

 

 

Após um intervalo de aproximadamente meia hora e com um público totalmente animado e muitos já completamente bêbados, tudo estava pronto para o Matanza dar inicio ao seu show, e que show! Contando com uma qualidade de som bem melhor, a banda liderada pelo carismático Jimmy London (vocal) acompanhado por Dony Escobar (baixo), Jonas (bateria) e Maurício Nogueira (guitarra) simplesmente matou a pau com seu Countrycore em um show insano recheado de músicas que fizeram do Matanza uma das melhores bandas do Brasil das últimas duas décadas. Sendo assim, logo de cara pérolas como “Ressaca sem Fim”, “A Arte do Insulto”, “Bebe, Arrota e Peida” e “Bom É Quando Faz Mal” fizeram Jimmy London e companhia ter o público na mão em um clima de festa de total descontração que se manteve até o final da apresentação.

 

Em uma atitude humilde e mais que justa, Jimmy London fez questão de homenagear e agradecer o Cólera pela participação no evento. Dando sequencia ao show, mais uma enxurrada de canções que são um verdadeiro convite ao álcool e a farra como “O Último Bar”, “Mesa de Saloon”, “Pé Na Porta, Soco Na Cara” e “Clube dos Canalhas” levaram o público à loucura, conduzidos por uma banda que parecia estar brincado no palco de tão bem entrosada. As clássicas “Ela Roubou Meu Caminhão” e “O Chamado do Bar” deram números finais ao show de 1 hora e 50 minutos em grande estilo. Ao final, o cansaço e o sorriso estampado no rosto da banda e do público eram reflexos da grande festa que foi mais essa edição do Matanza Beer Fest.

 

 

Set list: 

 

1- Intro

2- Ressaca sem Fim  

3- A Arte do Insulto 

4- Bebe, Arrota e Peida 

5- Ela Não Me Perdoou 

6- Bom É Quando Faz Mal 

7- O Que Está Feito, Está Feito 

8- Escárnio 

9- Tudo Errado 

10- Maldito Hippie Sujo 

11- Santa Madre Cassino  

12- O Último Bar 

13- Remédios Demais 

14- Odiosa Natureza Humana 

15- Santânico 

16- Meio Psicopata 

17- Matadouro 18 

18- Conforme Disseram As Vozes 

19- Mesa de Saloon 

20- Na Lama do Dia Seguinte

21- Tempo Ruim 

22- Pé Na Porta, Soco Na Cara 

23- Eu Não Gosto De Ninguém 

24- Carvão, Enxofre e Salitre 

25- Clube dos Canalhas 

26- Mulher Diabo 

27- Todo Ódio da Vingança de Jack Buffalo Head 

28- Ela Roubou Meu Caminhão 

29- O Chamado do Bar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



André BG

Apenas um cara que curte futebol, mulher e Rock 'n' Roll, bebe cerveja e torce para o Palmeiras!

Facebook: https://www.facebook.com/andre.alvesbg.5




blog comments powered by Disqus