Resenhas

Torture Squad, Zumbis do Espaço e Test - 24.02.2018 - Fabrique Club, São Paulo, SP

Por André BG | Em 05/03/2018 - 04:10
Fonte: Alquimia Rock Club

Fotos: Daniel Ferreira Rocha

 

Divulgando seus mais recentes álbuns de estúdio, as bandas Torture Squad e Zumbis do Espaço uniram forças para uma turnê conjunta pelo estado de São Paulo intitulada de “Esquadrão de Zumbis Tour 2018”, chegando a capital paulista no último dia 24 de fevereiro no Fabrique Club, tendo o duo Test como banda convidada para fazer a abertura. Ainda com a casa praticamente vazia, o duo de Grindcore formada por João Kombi (guitarra e vocal) e Barata (bateria), subiu ao palco às 18h10min para mandar seu som extremo que vem ganhando cada vez mais destaque no underground nacional. Contando com um som bom, a dupla fez uma apresentação ríspida e certeira, porem o público que aos poucos foi entrando na casa infelizmente não respondeu a altura, começando agitar um pouco apenas nas ultimas músicas do set list que durou cerca de 30 minutos. A dupla deixou o palco aplaudida pelos presentes, mas pela apresentação merecia uma recepção mais calorosa por parte do público. 

 

 

 

 

 

 

Com o relógio marcando 19h10min, era a vez dos Zumbis do Espaço entrar em cena com seu tradicional e pioneiro Horror Rock. Atualmente formada por Tor (vocal), Zumbilly (bateria), Gargoyle (baixo) e Manialcool (guitarra), banda vem divulgando seu ultimo álbum “Em Uma Missão de Satanás”, lançado em 2016, e foi com músicas desse trabalho como “Terras de Sangue” e “O Mal Imortal” que a banda iniciou sua apresentação, ambas muito bem recebidas por seus fãs, mas logo porradas mais antigas e conhecidas como “A Casa Dos Horrores”, “Sua Ultima Oração” e “Dia Dos Mortos” foram ditando o ritmo do show com o público cantando em alto e bom som. Na sequencia, em uma ideia muito bem sacada tocaram um trechinho da clássica “Raining Blood” do Slayer antes de mandar a porrada “Banho De Sangue”. Até aquela altura do show o som infelizmente apresentou algumas falhas (principalmente na guitarra e vocal que estava um pouco baixo), mas nada que uma banda com seus mais de 20 anos de estrada não tenha conseguido tirar de letra.

 

A sequencia com as clássicas “Mato Por Prazer”, “O Chamado Da Estrada”, “A Marca Dos 3 Noves Invertidos” e “Espancar E Matar” marcaram o momento mais agitado do show com a abertura das primeiras rodas. Outras pérolas como “Satan Chegou”, “Nos Braços Da Vampira”, “Caminhando E Matando”, “O Mal Nunca Morre” e “A Carcaça de Um Outro Alguém” marcaram presença no set list e foram destaque no show de pouco menos de uma hora de duração.

 

 

Set list:

 

1- Intro/Terras de Sangue 

2- O Mal Imortal 

3- A Casa Dos Horrores

4- Sua Ultima Oração 

5- Dia Dos Mortos

6- Banho De Sangue 

7- Eu Me Tornei Um Mutante      

8- Inspirado Pelo Cão 

9- Mato Por Prazer

10- O Chamado Da Estrada

11- A Marca Dos 3 Noves Invertidos

12- Espancar E Matar  

13- Satan Chegou 

14- Prostíbulo Do Inferno

15- Intro/Que Venham os Mortos

16- Nos Braços Da Vampira

17- Caminhando E Matando

18- O Mal Nunca Morre

19- A Carcaça de Um Outro Alguém      

20- Enquanto Eu Defecar 

 

 

 

 

 

 


 

Após um intervalo de meia hora tudo estava pronto para o Torture Squad dar inicio a sua apresentação. Divulgando seu mais recente álbum Far Beyond Existence lançado no ano passado, a banda atualmente formada por Amilcar Christófaro (bateria), Castor (baixo), Rene Simionato (guitarra) e Mayara "Undead" Puertas (vocal) fez um show implacável, começando com a trinca do novo álbum “Don’t  Cross My Path”,  “No Fate” e “Blood Sacrifice”, muito bem recebidas logo de cara e mostrando uma banda extremamente bem entrosada no palco. Outras pedradas mais antigas como a clássica “The Unholy Spell” e “Hellbound” abriram caminho para “Cursed by Desease”, também do novo álbum, seguida de um solo de bateria curto e certeiro de Amilcar Christófaro.

 

A ótima performance da banda mais uma vez chamou atenção, com destaque especial a parte para Amilcar Christófaro que mostrou mais uma vez ser um dos melhores bateristas do Thrash/Death Metal nacional. Outra clássica das antigas, dessa vez “Horror And Torture” foi responsável por agitar o público culminado em uma roda furiosa no meio do Fabrique Club. Após “Hero For The Ages” Mayara "Undead" Puertas pediu para o público agitar muito e abrir uma roda para a banda executar novamente a porrada “Don’t  Cross My Path” que seria gravada para um videoclipe, sendo obviamente prontamente atendida pelo público ali totalmente ensandecido pela performance avassaladora da banda. “Chaos Corporation” e “Return of Evil” foram as responsáveis por encerrar em grande estilo a apresentação fulminante de quase 1 hora e meia de duração, deixando o público mais que satisfeito. 

 

Para quem ainda desconfiava da capacidade dessa formação do Torture Squad, esse show foi uma prova mais que concreta que a banda ainda tem muita lenha pra queimar e ainda pode ser considerada uma das melhores bandas do Metal nacional.

 

 

Set list:

 

1- Intro/Don’t  Cross My Path 

2- Intro/No Fate 

3- Intro/Blood Sacrifice 

4- Area 51 

5- The Unholy Spell 

6- Intro/ Hellbound 

7- Cursed by Desease/Solo de Bateria 

8- Raise Your Horns 

9- Intro/Horror And Torture 

10- Hero For The Ages 

11- Chaos Corporation 

12- Return of Evil

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Antes de subir ao palco, o guitarrista Rene Simionato do Torture Squad conversou rapidamente com o Alquimia Rock Club, confira abaixo:

 

Alquimia Rock Club: Primeiramente gostaríamos de agradecer pela atenção e começar falando sobre sua entrada na banda, como você entrou no Torture Squad?

 

Rene Simionato: Cara, eu sou amigo dos caras do Torture Squad há muitos anos, acompanho a banda há quase 20 anos e já tocava com o Amilcar em outros projetos, ele já tocou em uma banda antiga minha Thrash/Death Metal chamada Guillotine e a gente também tem um tributo do King Diamond e Mercyful Fate no qual ele é o baterista e eu o guitarrista, então o entrosamento musical sempre existiu, pois sempre fui muito fã dele e sempre tivemos uma boa conversa, tocamos também em festas especiais da Roadie Crew e Rock Brigade, entre outras festas, então naturalmente em uma conversa ele comentou que talvez precisaria de um guitarrista e eu sempre deixei bem claro  que se algum dia precisasse eu estaria ali tanto na qualidade de músico como na qualidade de fã, pois sou muito fã da banda e naturalmente isso rolou, e a gente marco tudo então eles disseram; “então você está na banda, é isso ai”, foi bem legal, a gente era muito amigo, então foi um negócio muito natural, eu sempre respirei a sombra deles na musicalidade.

 

Alquimia Rock Club: E como foi o processo de composição e gravação do novo álbum Far Beyond Existence, lançado no ano passado?

 

Rene Simionato: A composição foi muito legal, pois na banda todo mundo é muito inteirado em todos os instrumentos fora de seu próprio instrumento, ou seja, o Amilcar é muito ligado com guitarra e em tudo que ele quer ouvir em melodia, o Castor é a mesma coisa, então todo mundo toca um pouco de tudo, é muito gostos compor junto, é meio que um “free hand” ali. A gente tem ensaios no qual pegamos um dia da semana pra fazer o “free hand” e compor algo e outros dias pra fazer o set list e manter aquele lance de energia, então compor o disco foi uma delicia, e já que muitas coisas já estavam prontas no qual o Amilcar compôs guitarra e tudo mais, foi muito legal. E a gravação foi mais legal ainda, tivemos total apoio e conforto para gravar com o Tiago Assolini e Wagner Meirinho do Loud Factory Studios de São Paulo, a gente teve uma captação muito tranquila e essa parte é onde temos que estar mais tranquilos que é ali onde precisamos executar tudo e depois uma mixagem e uma masterização tambem muito foda e direta, a gravação do disco sem exageros foi muito legal, tudo foi legal, a questão da arte da capa também, tudo casou!

 

Alquimia Rock Club: E por falar na arte da capa, como tem sido a repercussão do álbum? Um site gringo elegeu a capa do Far Beyond Existence como uma das melhores de 2017 certo?

 

Rene Simionato: Pois é, a gente gostaria de uma capa que inicialmente falasse sobre a lírica do CD que é algo que gira em torno de algo além da realidade, ou seja, a realidade que a gente conhece é muito maior do que a gente acaba imaginando, sem ter algum idealismo social, politico ou espiritual, mais a questão real da coisa, e a capa tem isso, mas ao mesmo tempo tem o algo agressivo, com o lance da caveira que é legal, então conseguimos juntar no nosso gosto tudo em algo legal nesse sentido. E a repercussão está sendo do caralho, sem exageros! A galera tem gostado mesmo! A capa é legal, as músicas são bacanas, a gravação está legal, é um conjunto de coisas legais que envolvem o disco, foi muito natural e muito foda!

 

Alquimia Rock Club: Ainda sobre o álbum, como foi especificamente pra você como guitarrista? Já que o Torture Squad contou com outros ótimos guitarristas ao longo dos anos, como foi pra você manter as carteiristas da banda e ao mesmo tempo colocar algo seu na música?

 

Rene Simionato: Sem duvidas! Foi um pouco dos dois, ao mesmo tempo que foi muito tranquilo e fácil porque eu já ouço a banda há milhares de anos, foi difícil entrar na respiração desses caras que são fodas, você precisa estar muito por dentro do raciocínio do grove, então essa parte tive que tomar muito cuidado, com o timbre saca, ter certeza do que aquilo que eu ouvia quando era moleque vai ser passado tão bom ou melhor e continuar soando, então ao mesmo tempo que foi muito fácil por eu ser fã da banda também a parte onde tive que tomar muito cuidado, mas estamos mais que entrosados.

 

Alquimia Rock Club: E como tem sido essa turnê com os Zumbis do Espaço pelo interior de São Paulo?

 

Rene Simionato: Como sempre tem sido muito foda, a gente já fez varias nesse molde de tocar segunda a segunda, o penúltimo show é hoje e ultimo é amanhã em Sorocaba no Asteroid. É muito legal, estamos fazendo vários shows desde 2015, tentando achar aquele lance sistemático de horários que não pode atrasar, promotor, transporte, equipamento em dia, é muita coisa, um circo né, então acorda descansa na estrada pro próximo show, há dias que não tem lugar pra descansar as vezes não da pra descansar porque não tem tempo, então é bem louco mas ao mesmo tempo bem legal, já fizemos varias turnês nesse esquema, em 2016 e 2017 no Brasil inteiro, teve também uma pelo estado de São Paulo em 2017 igual essa de 2018, teve uma turnê pela Europa em 2016 também, então estamos num ritmo legal.

 

Alquimia Rock Club: E quais os planos pra 2018? Planos pra Europa?

 

Rene Simionato: Mais turnês! Nessa quinta-feira embarcamos pra Colômbia, vamos fazer uma turnê sul-americana, vamos passar por Colômbia, Equador, Chile e Bolívia e vamos ficar um mês na estrada e voltar dia 10 de abril. Também já fechamos uma turnê Europeia e tudo indica que no final do ano faremos outra turnê brasileira, mas dessa vez não apenas pelo estado de São Paulo, mas sim por todos os estados, acho que só Manaus e Roraima que não vai entrar.

 

 



André BG

Apenas um cara que curte futebol, mulher e Rock 'n' Roll, bebe cerveja e torce para o Palmeiras!

Facebook: https://www.facebook.com/andre.alvesbg.5




blog comments powered by Disqus