Resenhas

Brujeria e Krisiun - 22.05.2018 - Espaço 555, São Paulo, SP

Por André BG | Em 27/05/2018 - 17:44
Fonte: Alquimia Rock Club

Fotos: Flavio Santiago

 

Passados dois anos desde sua última passagem por São Paulo, o polêmico Brujeria se apresentou novamente na capital paulista na última terça-feira no Espaço 555 contando com ninguém menos que o Krisiun, um dos maiores expoentes do Death Metal mundial como banda convidada, culminando em um dos shows mais brutais de 2018.

 

Por volta das 20h15m e com a casa já bem cheia, o Krisiun deu início a sua apresentação. O trio gaúcho formado pelos irmãos Alex Camargo (baixo e vocal), Max Kolesne (bateria) e Moyses Kolesne (guitarra) encerrou oficialmente nessa noite a extensa turnê mundial do bem-sucedido álbum Forged in Fury lançado em 2015, e mais uma vez a banda não deixou pedra sobre pedra com seu Death Metal Brutal, contando com uma boa qualidade de som na casa, o trio fez uma apresentação implacável como de costume, agitando o público ao som de porradas como “Ominous”, “Ravager” e “Combustion Inferno”, uma trinca infernal para abrir as primeiras rodas na pista e que fez a banda ter o público nas mãos do início ao fim da apresentação, que também contou com clássicos como “Vengeances Revelation”, dedicada ao Toninho Iron (presidente do fã clube do Sepultura) e todos os amigos das antigas que apoiam a banda desde o início de carreira na década de 90. Já a clássica “Ace Of Spades” do Motörhead que vem fazendo parte do set list da banda há um bom tempo foi dedicada aos amigos Juninho e Ewerson Augusto (Tato) falecidos recentemente, sendo esse um dos pontos altos do show, encerrado com um solo de bateria curto e brutal de Max Kolesne seguido da porrada “Kings of Killing”, que fechou o set list em grande estilo mas de uma forma diferente do normal, geralmente encerrado com a clássica “Black Force Domain”, que acabou ficando de fora, muito provavelmente por conta do tempo, já que o início do show previsto para as 20 horas começou cerca de 15 minutos mais tarde, mas nada que tenha tirado o brilho de mais uma apresentação arrebatadora de um dos maiores nomes do Death Metal mundial, que deixou o palco merecidamente aplaudido por todos.

 

 

Set list:

 

1- Ominous 

2- Ravager 

3- Combustion Inferno 

4- Blood Of Lions  

5- Ways of Barbarism 

6- Vengeances Revelation  

7- Descending Abomination 

8- Apocalyptic Victory 

9- Ace Of Spades (Motörhead Cover) 

10- Hatred Inherit 

11- Solo de bateria

12- Kings of Killing  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Após um intervalo de aproximadamente uma hora, tudo estava pronto para o polêmico Brujeria entrar em cena com suas raízes mexicanas para despejar seu Grindcore carregado de sarcasmo em letras totalmente cantadas em espanhol, para uma casa completamente lotada por um público que agitou da primeira até a última música. Anunciada no palco por uma criança, a banda atualmente formada por Juan Brujo (vocal), El Sangrón (vocal), Hongo Jr. (bateria, Nick Barker - Cradle of Filth, Dimmu Borgir, Old Man’s Child, Lock Up, Testament), Patrick Jensen (baixo, do The Haunted) e Anton Reisenegger (guitarra, Lock Up), vem divulgando seu mais recente álbum Pocho Aztlan de 2016, mas obviamente sem esquecer os clássicos que consagraram a banda, sendo assim mandaram logo de cara uma sequencia avassaladora com “Cuiden a los Niños”, “La Ley del Plomo” e “El Desmadre”, mais do que o suficiente para se instalar o caos na pista do Espaço 555 com rodas insanas. O show seguiu com mais pérolas como “Colas de Rata” e “La Migra (Cruza la Frontera II)”, mas um dos pontos altos do se deu ao anunciarem a sarcástica “Viva Presidente Trump!”, que foi abraçada por todos aos gritos de “Fora Trump!”. O clima insano do show foi mantido por uma enxurrada de clássicos como “Raza Odiada (Pito Wilson)”, “Brujerizmo”, “Anti-Castro” e “Division Del Norte”, executadas por uma banda afiadíssima e com o público respondendo a altura e cantando sob a liderança dos dois carismáticos vocalistas Juan Brujo e El Sangrón, que se destacam e são verdadeiras figuras no palco. 

 

Com o show se aproximando do final, a banda convidou algumas moças da plateia para subir ao palco para dançar ao som de “Consejos Narcos”, seguida por “No Aceptan Imitaciones” do último álbum e da clássica “Matando Güeros”, com Juan Brujo e El Sangrón empunhando seus tradicionais facões coloridos, encerrando em grande estilo a apresentação de cerca de uma hora, havendo tempo apenas para o desfecho final com “Marijuana” sendo tocada no som mecânico, apenas cantada por Juan Brujo e El Sangrón, enquanto os outros integrantes de certa forma um pouco frios já iam deixando o palco e guardando seus equipamentos. 

 

Mas o saldo final de mais uma passagem do Brujeria pela capital paulista foi muito positivo como sempre, com o público deixando a casa mais que satisfeito após assistirem o encontro histórico desses dois ícones do Metal extremo.   

 

 

Set list divulgado:

 

1- Cuiden a los Niños 

2- La Ley del Plomo 

3- El Desmadre 

4- Colas de Rata 

5- La Migra (Cruza la Frontera II) 

6- Hechando Chingasos (Greñudo Locos II)

7- Viva Presidente Trump!

8- Ángel de la Frontera 

9- Satongo 

10- Desperado 

11- Raza Odiada (Pito Wilson) 

12- Brujerizmo 

13- Anti-Castro 

14- Division Del Norte 

15- Marcha de Ódio 

16- Revolución 

17- Consejos Narcos 

18- No Aceptan Imitaciones 

19- Matando Güeros  

20- Marijuana

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



André BG

Apenas um cara que curte futebol, mulher e Rock 'n' Roll, bebe cerveja e torce para o Palmeiras!

Facebook: https://www.facebook.com/andre.alvesbg.5




blog comments powered by Disqus