Shows

Warriors Festival é neste sábado com 10 bandas de punk, HC e crossover

Por André BG | Em 18/07/2018 - 00:06

Fonte: Tedesco Comunicação & Mídia


 

O Espaço 555, nova casa de shows no Centro de São Paulo, recebe neste sábado (21/7) a primeira edição do Warriors Festival. Dez bandas nacionais de relevância do Punk, Hardcore e Crossover foram escaladas pela Agência Sobcontrole para celebrar a pujança e perseverança das respectivas cenas, num evento que é inspirado no cultuado filme Os Selvagens da Noite (1979). Os ingressos podem ser adquiridos na loja 255 (Galeria do Rock) ou online https://ticketbrasil.com.br/festival/6093-warriorsfestival-saopaulo-sp/ingressos.

 

As bandas deste primeiro Warriors Festival representam tanto a velha como a nova geração do punk/HC e crossover produzido no Brasil, entre alguns nomes já consagrados e outros que está há pouco menos de uma década na batalha: Periferia S.A., Skamoondongos, DFC, Surra, Cosmogonia, Norte Cartel, Direction, Faca Preta, Santa Muerte e Eskröta. O festival começa às 14 horas e tem previsão de terminar às 22 horas.

 

Entre uma banda e outra, o Warriors Festival abre espaço para discotecagem. As pick-ups serão comandadas Juliana Bajul, locutora do programa Ódio Mortal, da rádio Antena Zero.

 

CAMISETA LIMITADA DO FEST – Estão à venda três modelos da camiseta alusiva ao Warriors Festival, que podem ser adquiridas online junto ao ingresso pelo valor de R$ 60 (a entrada, sozinha, custa R$ 30). Ainda restaram algumas unidades de todos os modelos e, para garantir a sua, é preciso acessar o link de vendas - https://ticketbrasil.com.br/festival/6093-warriorsfestival-saopaulo-sp/ingressos - e retirada no dia do evento, mediante apresentação do comprovante da compra, de acordo com disponibilidade de tamanho e estampa.

 

 

AS BANDAS:


Periferia S.A. – Jão, guitarrista e membro fundador da banda de hardcore/crossover thrash Ratos de Porão, também canta e toca guitarra no Periferia S.A com antigos integrantes do RDP, Jabá (baixo e vocal) e Dru (bateria). É um ícone nacional do punk de protesto que nasceu nos anos 80, ficou inativo por 23 anos e, reformulado desde 2014, está firme na proposta de executar um som intenso e agressivo com letras que colocam o dedo na ferida da sociedade e do retrógrado tradicionalismo.

 

Periferia S.A. (crédito: Divulgação)

 

Skamoondongos – O Warriors Fest recebe a primeira banda paulista de ska, formada em 1995. Os incontáveis shows dentro da cena punk e a perseverança para se consolidar levou o Skamoondongos a um incrível contrato com a gravadora Paradoxx, e assim chegaram e conquistaram fama além de um nicho. MTV, paradas de sucesso da rádio 89 são apenas alguns dos veículos por onde circularam constantemente nas décadas passadas. Reativada em 2014 por Axl Rude e Wellington Mello da formação clássica original, a banda é composta também por músicos experientes no cenário nacional, com passagens no Cólera, Radio Ska, Maleducados, Falsones, Nokaos, entre outras.

 

DFC – Molecada 666, Igreja Quadrada do Triângulo Redondo e O Mal Que Vem par Pior são títulos de músicas e álbuns desta lendária banda do Distrito Federal que permeiam o imaginário de qualquer fã de hardcore/crossover. Desde o início da década de 1990 fazem uma autêntica mistura de D.R.I., Attitude Adjustment, Varukers, Cryptic Slaughter, Dead Kennedys, Agnostic Front, Discharge, R.D.P., com canções cantadas em português repletas de sarcasmo.

 

DFC (crédito: Divulgação)

 

Surra – Thrash punk antifascista, assim se autodeclara o Surra, que desde 2012 é mesmo uma porrada – das boas. Os paulistas é hoje uma das bandas mais ativas e requisitadas da música pesada, com álbuns elogiadíssimos pela crítica e público: Bico na Cara (2012), Tamo na Merda (2016) e o EP Ainda Somos Culpados (2017). Já dividiu o palco com grandes nomes como Sepultura, Ratos de Porão, Project46, Dead Fish e Claustrofobia e tocou em grandes palcos e festivais, como o Hangar 110, Carioca Club, Oxigênio Fest e Roça'n'Roll.

 

Cosmogonia – Representante do Riot formada em 1993 em Osasco (SP) só por mulheres, a feminista Cosmogonia faz punk/hardcore agitado e energético. Entre 1998 e 2006 a banda gravou alguns singles e participou de coletâneas. Voltou em 2017 após um hiato de 12 anos com Gabi nos vocais, Maria Esther na guitarra e Dani na bateria, oriundas da formação de 2005 a 2007. Carol no baixo se junta à banda no final do ano passado. Ouça 'O Sentir que Violenta', uma música que resume a criatividade e ferocidade das mensagens da banda.

 

Cosmogonia (crédito: Divulgação)

 

Norte Cartel – O hardcore rápido e ácido dos cariocas ecoa há mais de 10 anos pelo mundo, oriundo das cinzas da seminal Solstício e cujo norte é sempre as raízes nova-iorquinas eternizadas por Madball, Sick of it All e Warzone. O debut Fiel à Tradição e o segundo álbum, De Volta ao Jogo, são registros que colocam o Norte Cartel no alto escalão do hc nacional que prega respeito, amizade e união.

 

Direction – Banda nova, velhos conhecidos do punk/hardcore no Brasil. O Direction foi formado em 2016 por Thiago de Jesus, André Vieland, Rafael Stringasci e Fausto Oi, que tocam ou tocaram em bandas seminais da cena, como Good Intentions, Inspire, Live By The Fist e Dedication. O time de peso lançou o debut Mesmo Horizonte no mesmo ano em que nasceu, onde apresentam 10 músicas calcadas numa sonoridade old school, com muita melodia.

 

Faca Preta – O autêntico street punk do Faca Preta está em plena crescente e hoje a banda é uma das mais empolgantes da cena. Foi formada em 2013 por experientes músicos do underground nacional e tem, hoje, Marcelo na bateria, que também é baterista do Chuva Negra. Na bagagem, um EP de 2016, com o hit São Paulo, e o single Vida Dura, que saiu na coletânea Para Incomodar Vol.2, organizada pela Hearts Bleed Blue e Semper Adversus.

 

Santa Muerte – É latente a influência do thrash metal e do crossover oitentista na música do Santa Muerte, banda formada por três meninas na capital paulista em 2012. O som rápido e cru, popularmente apontado como "direto e reto", ganha autenticidade pela voz estridente de Marília Massaro, também a guitarrista.

 

Eskröta – Mais uma representante do thrash 80 formado apenas por mulheres, o Eskröta aposta em riffs metalizados e na verve punk. O power-trio está na ativa desde o ano passado e atualmente divulgam o EP Eticamente Questionável, masterizado por Prika Amaral (Nervosa) e mixado por Leo Mesquita (Surra).

 

 

SERVIÇO


Warriors Festival 

Evento: https://www.facebook.com/events/193434647953767 

Data: 21 de julho de 2018 

Horário: das 14 horas às 22 horas 

Local: Espaço 555 

Endereço: Avenida São João, 555 – Centro/SP (próximo à Estação República do metro e da Galeria do Rock) 

Ingresso: R$ 30 (1º lote – estudante e promocional); R$ 40 (2º lote – estudante e promocional); R$ 60 (ingresso + camiseta) 

Online: https://ticketbrasil.com.br/festival/6093-warriorsfestival-saopaulo-sp/ingressos 

Físico (sem taxa): Galeria do Rock, na Loja 255 (1º andar, tel 3361-6951); Penha, na Ska Skate (rua Capitão João Cesário, 79, tel 2305-7000) 

Censura: 14 anos. Menor de 14 somente acompanhado com responsável.

 

 

CONTATO PARA A IMPRENSA


 


André BG

Apenas um cara que curte futebol, mulher e Rock 'n' Roll, bebe cerveja e torce para o Palmeiras!

Facebook: https://www.facebook.com/andre.alvesbg.5




blog comments powered by Disqus